Preços Baixos Atraem Brasileiros às Universidades De Po

28 Mar 2019 20:23
Tags

Back to list of posts

<h1>Confira O Sentido De Cada Uma</h1>

<p>A americana Sarpoma Sefa-Boakye descobriu que queria ser m&eacute;dica aos 9 anos de idade. Em Um M&ecirc;s, Portal De Cr&eacute;dito Pela Internet Movimentou Quase R$ 80 1000 , filha de imigrantes ganenses, ela conta que, em sua primeira viagem &agrave; &Aacute;frica, para um funeral pela terra natal dos pais, ficou comovida com a pobreza. Sarpoma, 39, &agrave; BBC News Brasil. Cinco Aplicativos Para Preparar-se Melhor E Passar No Enem , o que pesou na decis&atilde;o foi a probabilidade de concluir o curso sem d&iacute;vidas, por causa de o governo cubano oferece bolsas de estudos aos alunos americanos. Sarpoma faz cota de um grupo de 170 m&eacute;dicos americanos formados pela ELAM, a maioria deles negros ou latinos.</p>

<p>Pode soar inusitado que cidad&atilde;os de um pa&iacute;s rico como os EUA participem de um programa voltado a jovens de comunidades de baixa renda. No entanto nas faculdades americanas, negros e latinos representam menos de 6% dos graduados em Medicina. BBC News Brasil a m&eacute;dica Melissa Barber, formada na ELAM em 2007 e coordenadora do programa que seleciona alunos americanos pra institui&ccedil;&atilde;o cubana, ligado &agrave; IFCO (Funda&ccedil;&atilde;o Interreligiosa para Organiza&ccedil;&atilde;o Comunit&aacute;ria, em portugu&ecirc;s), em Nova York.</p>

<p>Como contraste, 47% dos americanos formados pela ELAM s&atilde;o negros e 29%, latinos. Em troca do curso gratuito, eles se comprometem a atuar em &aacute;reas carentes de servi&ccedil;os m&eacute;dicos no momento em que voltarem ao teu na&ccedil;&atilde;o. Fundada em 1999 para doar educa&ccedil;&atilde;o gratuita a jovens de na&ccedil;&otilde;es pobres da Am&eacute;rica Central e do Caribe atingidas pelos furac&otilde;es Mitch e Georges, a ELAM re&uacute;ne hoje estudantes de 124 pa&iacute;ses. Os primeiros americanos chegaram em 2001, depois que l&iacute;deres do Congressional Black Caucus, o grupo formado pelos congressistas negros dos EUA, visitaram a ilha e relataram a car&ecirc;ncia de m&eacute;dicos em v&aacute;rias &aacute;reas habitadas por minorias em seu pa&iacute;s.</p>

<ol>
<li>F&eacute;rias: Dezembro e Janeiro: Relaxa, n&atilde;o tem nada pra fazer nessa &eacute;poca</li>
<li>1800 euros a 7000 euros (R$ 7.800 a R$ 30.300)</li>
<li>08/06/10 19:06 - Bruno Rafael</li>
<li>um - Recebeu rendimentos tribut&aacute;veis superiores a R$ 28.559,setenta</li>
<li>dois Biblioteca Central</li>
<li>Permite a aplica&ccedil;&atilde;o eletr&ocirc;nica das quest&otilde;es</li>
<li>Curr&iacute;culo em ingl&ecirc;s</li>
</ol>

<p>O l&iacute;der cubano na &eacute;poca, Fidel Castro, disponibilizou bolsas de estudo a americanos de baixa renda. A sele&ccedil;&atilde;o dos candidatos fica a cargo da IFCO, universidade que se op&otilde;e ao embargo econ&ocirc;mico imposto pelos EUA a Cuba. A decis&atilde;o conclus&atilde;o cabe &agrave; ELAM. Reprova&ccedil;&atilde;o N&atilde;o &eacute; Motivo Pra Desistir O Dia , dois a mais que nos EUA.</p>

<p>H&aacute; ainda um ano adicional, no in&iacute;cio do curso, dedicado a aulas preparat&oacute;rias com quest&atilde;o em ci&ecirc;ncias e espanhol. Apesar da tens&atilde;o nas rela&ccedil;&otilde;es entre os dois pa&iacute;ses, os americanos formados na ELAM prometem que o programa deixa pol&iacute;tica de fora. A bolsa adiciona acomoda&ccedil;&atilde;o em dormit&oacute;rios, tr&ecirc;s refei&ccedil;&otilde;es di&aacute;rias na cafeteria do campus, livros em espanhol, uniforme e uma pequena socorro financeira mensal.</p>

[[image http://twilight.mx/img/cursos1.png&quot;/&gt;

<p>Os estudantes s&atilde;o alertados sobre o assunto as acomoda&ccedil;&otilde;es &quot;espartanas&quot;, diferenciado do que est&atilde;o acostumados em seu povo, e problemas como falta ocasional de energia e insuficiente acesso &agrave; internet. Todavia o que mais surpreendeu Sarpoma foi o segredo de educa&ccedil;&atilde;o, focado em precau&ccedil;&atilde;o e intera&ccedil;&otilde;es com os pacientes desde o in&iacute;cio.</p>

<p>Barber destaca o aspecto comunit&aacute;rio do sistema cubano. Ao fazer o diagn&oacute;stico, os m&eacute;dicos s&atilde;o encorajados a julgar elementos biol&oacute;gicos, psicol&oacute;gicos e sociais. Barber compara este sistema ao americano, onde v&aacute;rios n&atilde;o t&ecirc;m plano de sa&uacute;de. Pra exercer a profiss&atilde;o nos Estados unidos, os m&eacute;dicos formados em Cuba necessitam ser aprovados em uma s&eacute;rie de exames, do mesmo jeito seus amigos formados em escolas americanas. Bem como precisam completar um programa de resid&ecirc;ncia m&eacute;dica nos EUA. BBC News Brasil a presidente da National Medical Association (Associa&ccedil;&atilde;o M&eacute;dica Nacional, ou NMA, pela sigla em ingl&ecirc;s), Doris Browne.</p>

<p>Fundada em 1895, a NMA &eacute; a mais antiga associa&ccedil;&atilde;o de m&eacute;dicos negros dos Estados unidos e tem entre seus objetivos aprimorar a peculiaridade dos servi&ccedil;os de sa&uacute;de pra minorias e comunidades carentes no povo. A Multinacional Da Ecologia , s&atilde;o poucos os m&eacute;dicos formados nos EUA que se dedicam a aten&ccedil;&atilde;o prim&aacute;ria, o que faz com que exista falta de profissionais nesta &aacute;rea. Apesar de ser o pa&iacute;s com maior gasto per capita em sa&uacute;de, os EUA ficam atr&aacute;s de Cuba em alguns indicadores de sa&uacute;de.</p>

<p>Em 2016, de acordo com o Banco Mundial, a taxa de mortalidade infantil (n&uacute;mero de falecidos a cada 1000 nascidos vivos) era de quatro em Cuba e de 6 nos EUA. H&aacute; ainda extenso disparidade relacionada a ra&ccedil;a e dependendo do Estado. Deste contexto, a presidente da NMA diz que o trabalho prestado pelos m&eacute;dicos formados em Cuba, que atendem &aacute;reas carentes e minorias, &eacute; &quot;extremamente consider&aacute;vel&quot;.</p>

<p>Segundo Barber, do IFCO, mais de 91% dos americanos formados na ELAM atuam em aten&ccedil;&atilde;o prim&aacute;ria. Sarpoma, que concluiu o curso em 2009, &eacute; m&eacute;dica de fam&iacute;lia em San Diego, na Calif&oacute;rnia. Ela assim como trabalha com a organiza&ccedil;&atilde;o Birthing Project Usa, que tem projetos em volta dos Estados unidos e do universo com o intuito de apagar taxas de mortalidade infantil e materna. Entre os defeitos de adapta&ccedil;&atilde;o que enfrentou ao regressar aos EUA, Sarpoma cita o insuficiente tempo com os pacientes. Nos Estados unidos, o tempo m&eacute;dio que um m&eacute;dico gasta com cada paciente &eacute; de quinze minutos.</p>

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License